19.3.09

O desfecho da historia

Não teve desfecho ainda. Nada do meu $$. Fui na polícia e como não tenho contrato, não posso dar parte. Um dos policiais (que era lindo por sinal =D) me falou que se o apartamento é dela, ela “faz o que quiser com ele”. Além do mais, a dona falou que se o pessoal que ainda mora no apartamento me der uma cópia do contrato deles pra eu tirar os dados e poder denunciá-la, ela vai por todos na rua. É tudo assim. Sim, eu concordo, é SEM CABIMENTO. Parece coisa de filme.

Então, pra sair do meio de toda essa merda, dar a volta por cima e continuar a vida, me mudei. Agora moro com uma chilena, que é um amor, em um apartamento que é alugado pelo meu chefe na universidade. Só cabem umas... 6 pessoas no apê, mas tudo bem. É muito pequeninho, mas é lindo. Não tenho câmera fotográfica ainda pra mandar uma foto dele (é, uma deve ser suficiente pra tirar foto de tudo :P). Sou a cozinheira da casa - o que obviamente não significa dor de estômago, thank you very much - mas sim que picar vegetais e fazer tortas de resto de comida tomando um copo (sim, copo, não temos taça) de vinho é uma terapia muito eficiente!!!

12.3.09

O apartamento e a xenofobia

Me mudei de novo ontem. Adeus à vida chique da 5th Avenue de Alicante por culpa de um mal que está ainda mais acentuado com a crise aqui na Europa: discriminaçao contra estrangeiros.

O ape onde moro é de uma senhora mais velha, porém quem cuida sao suas filhas. Uma mora em Madri, e a outra aqui em Alicante. Acertei com a menina que saiu do quarto o valor do aluguel e o depósito de dois meses adiantado, caso eu destrua algo. Paguei tudo que devia.

Descobri essa segunda, exatamente uma semana depois de me mudar, que as filhas da mae (no sentido figurado e literal) nao aceitam que estrangeiros assinem o contrato de aluguel do quarto. Assim, elas evitariam que eu tivesse direito de ficar morando no apartamento, caso os outros 3 espanholes que moram ali saiam. Além, claro, de ficam sem ter direitos nenhum sobre as coisas, e certificaçao de tudo que paguei. E a gota d'água de tudo foi que uma das mulheres ligou pra um dos colegas do apê perguntando a ele se o molestaria ter uma estrangeira morando entre eles. Vejam se isso tem cabimento.

No outro dia, as gurias aqui do trabalho me ajudaram a tirar todas as minhas coisas do apartamento, porque nao tinha como eu ficar morando ali, naquela humilhaçao. Vai que um dos espanholes se ofende, né, em ter que morar com uma estrangeira??

Óbvio que me pegou de surpresa, no meio de uma semana super atarefada do trabalho com a visita do grupo de professores da América Central. Tanto eu como os outros que moram na casa nao tinhamos sequer idéia de que isso era possível, ou legal. Como o contrato que tem do apê tá no nome da velha, nao aparece o nome de nenhuma das filhas, nem seus dados pra se fazer queixa na polícia. Nenhuma delas quis me conhecer, tampouco, sequer falaram comigo, pra nao se sujarem, as sem-vergonhas.

O grand finale de toda essa merda é que eu nao tenho como recuperar meu dinheiro que paguei!! Como as duas irmas fdp nao querem se meter, disseram que so vou ver o meu dinheiro do depósito quando eu achar outra pessoa pra ficar no quarto, e essa pessoa sim que vai ter que repor o que paguei. ACREDITAM?? Sem falar no $ do aluguel, que nao tenho provas que paguei uma parte, so o comprovante do depósito.

Mas agora essas velhas me pagam. Hoje ligamos pra um advogado e vou fincar um processo nelas contra danos morais, racismo, e estelionato. Fodam-se. Nao queriam ter problemas com estrangeiros? Agora vao ter que engolir!!!

11.3.09

Confesiones y Mario Quintana

CONFISSÃO

Que esta minha paz e este meu amado silêncio
Não iludam a ninguém
Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta
Nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios
Acho-me relativamente feliz
Porque nada de exterior me acontece...
Mas,
Em mim, na minha alma,
Pressinto que vou ter um terremoto!"
Mario Quintana

8.3.09

Tomando mate em Alicante.

Estava eu com vontade de tomar mate.

Essa semana encontrei um lugar que dizia "cantinho argentino". E na vitrine, tinha cuias ("calabazas", para os nossos hermanos), e erva argentina. Entrei. Ah tinha alfajor tambem :). Situacao: o cantinho argentino era na Espanha, e o dono da loja era frances. Mas isso nao e o mais estranho. O mais estranho e que quando perguntei das ervas, ele se levantou e veio ler os rotulos junto comingo. O que leva a conclusao obvia de que ele nao sabia nada de erva mate... somente as importava e as vendia por 5x o preco. baita fdp. (Ahhh e sabem os alfajores, aqueles que todo mundo ama e come ate nao poder mais? Uma caixa dos mais comuns custa €18!! quase R$60!! Que absurdo!!!).

De volta ao meu mate, comecei pelo mais facil. Escolhi uma cuia igual a da Tina (que saudade da Tina!!!), e comecei a ler pacote por pacote de erva pra ver qual nao seria tao forte (como a erva que tomavamos em Floripa), ja que o super vendedor nao era de muita ajuda. Falando nisso: alguem sabe uma erva argentina que nao seja forte pra me ajudar? Aqui nao tem erva do RS.

Resultado: fiz o mate, e estou tomando sozinha. Mas adianto que essa historia de mate argetino nao e uma "brastemp". E estranho. Alem do mais, estou sob os olhares atentos dos meus companheiros de casa. "Isso ai que tu toma... te faz algo?" "Eu ouvi falar que te deixa doidao". A resposta, obvio, e sempre muito ironica: "Aham, pega mesmo. Minha vo fica doidona, ela toma todas as manhas assim que acorda". Dai quando explico que o mate e um cha, e nao tem nada mais do que folhas de uma determinada arvore (Ilex para.. alguma coisa) secas e amassadas, desconfiam que estou mentindo!

Essa semana, no trabalho temos um monte de gente da America Central. Mal posso esperar!! :)

Beijos e boa semana - tenho que continuar a ver o Nadal jogar. :)

Hasta luego!!!