28.9.10

País novo, vida nova: Santo Domingo.

Começa um novo capítulo na minha vida. Woohoo! Peraí. Pensando bem… “woohoo” o caral*o!! Estou acordada desde as 2 da manhã, com um jet leg FDP, com dor nas costas, 3kg mais gorda do estresse da mudança, e - pior de tudo - tive que deixar meu porquinho rosa (Jasper) em Alicante porque não coube em nenhuma das 3 malas. Digamos que apenas começou uma nova fase da vida, só isso. Sem celebrações no momento. Preciso de alguns dias.

Não tinha comentado no blog antes, mas um resumão dos meus últimos 2 meses seria: me ofereceram um emprego em uma universidade na República Dominicana; pedi demissão da Universidade de Alicante: vim a SD ver como era o emprego; aceitei a oferta. Tem muito mais drama no meio, coisas dignas de novela mexicana de 5ª categoria, mas não vale a pena comentar aqui. Primeiro, por que iria matar qualquer um de tédio (ou de risada!); segundo, porque melhor deixar essa história louca pra trás. Meh. O que importa é que a gente juntou os 59 kg de mijados, tomamos num avião com um par de remedinhos legais pra dormir, e chegamos no domingo, 26 de setembro, às 4 da tarde no Aeroporto Las Américas de Santo Domingo para um ano de muito trabalho. Sim, galera >> trabalho!

A Rep. Dominicana é meu país número 7. Não que eu esteja tentando competir com o Gulliver e suas viagens, nem tentando ser uma Adventure Diva (paixão por adrenalina = 0; grau de chiquesa e classe = 0), mas quem me conhece um pouquinho mais já percebeu que as coisas acontecem meio sem lógica comigo, e que acabo por me mudar daqui pra lá como quem troca de roupa. Sabe que eu detesto quando me perguntam “onde tu tá agora?”, “por onde tu anda?”, mas pensando bem, como posso ficar braba por me perguntarem isso, se nem eu mesma me acho por onde estou às vezes? (pequena pausa pra cantar A sombra da maldade, do Cidade Negra, tá tocando no PC. Amo essa musica. OK, continuamos.)

A questão principal que influenciou na decisão de vir pra SD é que vou ter uma posição de responsabilidade como diretora de internacionalização em uma universidade privada local, e isso vai ser um desafio e um aprendizado enorme, eu espero, como pessoa e profissional. Acho também que a experiência de trabalhar em uma universidade na América Latina /Caribe vai ser muito interessante. O principal desafio? Morar em SD: trânsito louco, superpopulação, falta de segurança... nada que não temos no Brasil, eu sei, mas falta reaprender algumas coisas agora.

Então, aqui estamos: um pit-stop de 12 meses antes de voltar pro Brasil. Acho que chega de ser estrangeira, né?

7.8.10

A grama do vizinho nem sempre é mais verde.

Às vezes me passo um pouco da linha, me permito ir clicando, clicando, e acabo em outros blogs de gente que não conheço. Geralmente não faço isso. Uso a internet pra ver um par de coisas, que são mais ou menos fixas, e em sua ordem.: e-mails, orkut, facebook (só as minhas contas, a dos outros eu mal olho), jornais do Brasil, da Espanha, alguns jornais do mundo, Amazon.co.uk, e sites de spoilers das séries de TV que gosto (atualmente: Bones, Fringe, Glee, Big Bang Theory e Grey's). Não vou dizer em voz alta que assisto os capítulos por que pode me gerar problema. Ups. Ah claro, alguma e outra receita, dependendo do que tem na geladeira e no balcão, quando meus livrinhos lindos de culinária não dão pro gasto. Não fico bisbilhotando e testando os limites da internet, não tenho paciência.

Quase sempre é isso. Mesmo no Youtube, o que vejo é sobre as séries, ou algum clipe de música que me vem na cabeça e não quero comprar a música no iTunes. Ou receitas, outra vez. Mas não saio muito do meu mundinho virtual cotidiano. Sou uma constante. Por isso, quando vejo outros blogs, fico impressionada. Como as pessoas encontram templates tão bonitos? Como sabem tanto de literatura, música, filme, teatro, e filosofia? Como arrumam as seções tão bem nas laterais do blog, e inserem tantas applications legais, ou conhecem links super interessantes? E como escrevem coisas tão criativas, cool e trendy? Acima de tudo: daonde tiram tempo pra fazer tudo isso, pelamordedeus?

Me intriga e me fascina. O que me intriga é a capacidade das pessoas de assimilarem tão bem todas as ferramentes que os blogs te oferecem, e escreverem blogs lindos e super interessantes a ponto de terem centenas de seguidores! Bem, por outro lado me assusta a minha inabilidade de fazer o mesmo. Não de ter seguidores (hauhauahauha - sim, só o que faltava: resolver a essas alturas que necessito de fama e estrelato virtual!), mas de ter tools/programinhas que fizessem mais simples isso de colocar as histórias e fotos nos posts do blog, por exemplo. Mas o que fascina é a criatividade dessa gente, a articulação das palavras, o uso do português/inglês, poesia, figuras... tá louco. Blogs são muito legais, que bom que existem.

Minha filosofia pessoal é a do "less is more" - nada de blog super fancy que vai me trazer mais trabalho - isso somado com uma falta de tempo crônica de me dedicar a qualquer outra coisa (3 aulas teóricas em 8 meses pra tirar a carteira de motorista pode ser um bom exemplo). Acho que não vai rolar um Oscar de melhor blog de relatos e fotinhos que me garantiria uma estrela dourada na calçada da fama (damn!). Que bom que os demais blogueiros estão felizes em repartir com o mundo a sua criatividade a full power. Muito obrigada.

Melhor coisa a fazer, Aliandra: assistir Glee e deixar de bisbilhotar nas coisas dos outros!

6.8.10

Férias!!!

Hora de organizar tudo o que tenho que fazer, e que deixei pras férias. Ou não.
Acho que minha missão nas férias será bate o recorde de ver TV sem levantar do sofá por 7 dias.
Semana que vem, outra vez ao Caribe a trabalho... Santo Domingo que me espere!

3.8.10

Paixão em dose dupla: Leire e Pau!!

Não tenho palavras pra dizer o quanto eu adoro esses dois pequeninhos!!

Leire e Pau são gêmeos, e têm 3 aninhos e meio. Os bebecitos são filhos da Gurutze e do David, um casal de amigos espanhóis aqui de Alicante. A Gurutze trabalha comigo na universidade, e é uma das minhas melhores amigas aqui. David, seu marido, é professor no Departamento de Economia.

Leire ganhou o nome de uma santa do País Basco/Euskadi, e Pau, por outro lado, é um nome muito comum na Catalunha, e significa 'paz' em catalão. A diversidade dos nomes tem a ver com o fato de que Guru tem raízes bascas na família dela, e David é catalão de Barcelona.

Para mim, a Leirita é um anjinho, tão delicada, ama seus vestidinhos, e é muito observadora. Como ela mesmo se define: é uma princesinha! Claro que sabe gritar e bater o pé quando quer, mas sua delicadeza é de hipnotizar.

O Pau me parece ser agora o que faz mais barulho, adora um colo, e gosta de dançar e pintar. Levei pra ele de presente um DVD de histórias e lendas brasileiras, e ele adorou a do Boitatá. Que fofo! Os dois são bons de garfo, o que cair no prato, morre. Dois saquinhos sem fundo! Além disso, são tão espertos que, se alguém nota que são gêmeos, os dois começam a se abraçar e se beijar pra ganhar mais elogios! Que danados!

A Guru e o David procuram ensinar os dois a dividirem as coisas, negociarem entre eles as suas disputas, e resolverem as brigas. Geralmente rola uma intervenção, mas eles estão cada vez melhores. Outra coisa muito legal que admiro muito na Guru e no David, é que eles tratam os dois filhos de maneira muito igual, sem impor estereótipos ou papéis. L&P ganham as mesmas coisas, seja um carrinho, ou uma boneca, e eles mesmos escolhem com o que brincar depois.

Pra finalizar, ouvir a Leire dizendo com sua vozinha baixinha: "Tia Ali es una princesa" derrete meu coração. Claro que preciso fazer um esforço enorme (leia-se: presente ou doces) pra ser digna de tal consideração, por que chamar alguém de princesa é um dos melhores elogios que a baixinha pode dar. Mas a recompensa vale a pena. :) E o Pau, coisa mais linda, super carinhoso, melhor ainda se tiver sentado no meu colo e diante do meu prato!

Só de pensar neles, meu dia já melhora em 200%. Queridos da tia!!

(Fotos: Apresentação de dança pra encerrar o ano na escolinha. Acima, toda a familia reunida. Abaixo, mais fotos do dia na escolinha, e a tia Ali (bagaceira) ensinando eles a mostrar a língua - ainda bem que a Guru não viu! :P).













1.8.10

O Reino das pupusas: El Salvador!!!

Quem diria que eu iria encontrar um dos amores da minha vida nesse país tão chiquitito?? A pupusa é uma comida típica de El Salvador, feita com farinha branca de milho, tem a forma de um hambúrguer e se come no café da manhã, ou como lanche. É algo tão simples, tão rápido, tão humilde, tão rápido de fazer... e que delícia!

El Salvador foi uma surpresa ótima. Jamais pensei que algum dia chegaria a visitá-lo (até coloquei meus pés no Oceano Pacífico pela primeira vez!), e me alegra muito ter ido a San Salvador. O país foi marcado por 12 anos de guerra civil que terminou em 1992, e deixou muitas marcas nos salvadoreños. Uma amiga que trabalha na Universidade de El Salvador e que era militante da guerrilha, durante esses 12 anos tinha que mudar de casa a cada 3 meses com seus 3 filhos quando percebeu que seus amigos (professores e funcionários da universidade) "desapareciam" um por um. Ela tampouco viu seu pai por 12 anos, já que ele foi com a arma e um saco de roupas lutar nas montanhas, e só voltou depois que tudo terminou. Inclusive o motorista do ônibus da UES que nos acompanhou me mostrou com muito orgulho a marca (horrível!) de um tiro que tomou na canela direita quando fugia do exército. Tudo tão recente, e tão surpreendente.

Numa manhã, me levaram a conhecer um hospital muito especial para o povo de El Salvador: o hospital da Divina Providência. Eu não entendia porque as minhas companheiras de passeio (uma dominicana, duas hondurenhas, uma panamenha) estavam tão emocionadas para ir ali. Isso por que sou uma analfabeta em história da América Latina, uma verdade que assumo com muita vergonha. Esse hospital está diretamente ligado à figura de um senhor chamado Óscar Romero, um grande mártir para os salvadorenhos. Mais do que pregar um discurso religioso - ou fazer seu trabalho -, Romero enfrentava o governo autoritário do país, criticava os EUA, era criticado pelo Vaticano, por que passava ao povo mensagens de direitos humanos, criticava a opressão e exploração dos pobres, o fato dos EUA financiarem o governo com armamento, as torturas e assassinatos. O destino dele não é difícil de se imaginar: foi assassinado na capela do próprio hospital enquanto rezava uma missa lotada no dia 24/03/1980. Um único tiro no coração feito por um franco-atirador do governo foi o suficiente. Seu assassinato despertou a fúria do povo e foi a faísca que faltava pra estourar a guerra civil que comentei antes, que durou de 1980 a 1992. Na casa de 3 peças onde morava ao lado do hospital, está exposta a roupa manchada de sangue do dia do assassinato, junto com suas coisas, que não foram tocadas pelas freiras. Até no super tumultuado velório e enterro dele (250.000 presentes!), o governo aproveitou e matou mais umas 50 pessoas com bomba e tiros que vinham dos prédios ao redor da Catedral de San Salvador.

Um país pequeninho mas com muito que contar! Quero muito poder voltar. Algumas fotos: o vulcão de Izalco de longe, a paisagem verde e montanhosa do país, a igreja onde Romero foi assassinado, o centro de San Salvador, a Catedral, o Palácio do Presidente, e no fim, o centro da cidade de Apaneca, e seu pequeno hospital da Cruz Vermelha.











20.7.10

A incrível Cidade do Panamá!

A maior surpresa: chegar na Cidade do Panamá e pensar que estava em Nova Iorque! Doía o pescoço de olhar para os arranha-céus!! Ficava me perguntando como e porque as pessoas não comentam sobre a Cidade do Panamá? Porque nunca tinha ouvido antes do alto grau de desenvolvimento em termos de engenharia de construções, civil, do que seja, que os panamenhos têm? Se eu fosse professora de engenharia incluiria no currículo uma visita obrigatória ao Panamá pra estudar o Canal do Panamá - Sabia que nesses 82km de trajeto entre os oceanos passam a grande maioria de todas as coisas "Made in China" que tomam conta das nossas vidas?

Nem preciso mencionar que, como os demais centro-americanos, os panamenhos são um exemplo de educação, amabilidade e respeito, apenas a companhia deles vale pena a viagem.


A cidade do Panamá tem de tudo que se possa imaginar, é uma explosão multicultural, mas com a vantagem de ser uma cidade muito segura. Um ponto negativo, na minha humilde opinião de fã de inverno, é que faz muito calor. Sempre mais de 30 graus, com muita humidade.


Tenho algumas fotos. Que pena que na tarde que saímos de passeio, depois do trabalho, o céu estava muito nublado, logo as fotos ficaram escuras.

(Lá em cima: vista do centro da Cidade do Panamá; prédios antigos na Cidade Velha; uma pose e o sorriso tão querido da Margarita, mi mamá hondureña; uma apresentação de dança típica; e no fim, a travessia de um barco de cruzeiro pelo Canal de Panama - entrada pelo Pac'ifico)









(Já devem ter percebido que as fotos das festas não aparecem por aqui, né? hihihi)

21.6.10

Até tu, Brutus??

Minha coluna se revoltou mais uma vez contra mim. Dessa vez até os joelhos reclamam atenção.
Deve ser um aviso pra dar uma pausa, considerando que tem um tanto de trabalho a frente: uma convocatória, workshops na República Dominicana, e outro em El Salvador, sem falar nas Hogueras aqui em Alicante, que não me deixa dormir, passam a noite inteira com bombinhas e tocando reggaetton sem parar. ç
É uma montanha de estresse que culmina em muito desconforto, quadris e joelhos endurecidos, e pernas super desobedientes. Fdp!!!

30.5.10

Quero fazer CHIMIA!!

Quero fazer chimia, daquelas do interior do RS, que tem uma cara horrorosa, mas o gosto e MUITO bom.
* Be kind, rewind >> Pra quem não é gaúcho, momento "definição": Chimia é um tipo de geléia tri doce, de uma ou mais frutas, que se passa no pão, e o nome vem do alemão schimier (leia mais).
Chimia me lembra de Santa Maria-RS, da Fabi Sgorla e da Daia Scheid, ano de 2003 (*cof* quando tínhamos 15 aninhos *cof*). Na loucura (bem, na época) de terminar a monografia pra FACOS-UFSM, passávamos váááárias horas no apê da gurias na Andradas, ali na frente da UNIFRA, matando a ansiedade com uma quantidade sem fim de comida: muito mate, pipoca, feijão moro na xícara com colher - sem pão ou arroz (saudade de ti, Fabi!), e pão de casa de Chapada com uma chimia bem alemã in-crí-vel de abóbora, coco, batata doce e laranja que a vó da Daia mandava de Cerro Largo. Eu detesto abóbora (bleks²), mas na chimia da vó da Daia eu comia com gosto. Tá loco, era muito bom.

Então, passado o momento flash-back, eu quero fazer chimia. Estou pra receber visitas agora no verão, e por isso me motiva mais cozinhar essas coisas mais trabalhosas. Eu sei que se eu fizer só pra mim, vai ficar ali na geladeira por meses, mas se vem gente, daí espero que se termine (rsrsrsr). Senão, distribuo entre a galera do trabalho mesmo.

O mais legal de tudo é que, enquanto procuro alguma receita de "chimia do RS" na internet, acho textos muito engraçados imitando os gaúchos. Olha esse, sobre como fazer mate, de autoria de Robeta Malta: Ah! Tem algumas palavras em francês no meio:


Barbarinha esta levando um papelzinho com instruções sobre como fazer o chimarrão, mas é simples,
Tu deve encher a cuia de erva, até um dedo depois da altura que ela começa ficar mais estreita;
Depois tu tampa a cuia, com uma tampa reta e deita a cuia na horizontal. Isto é pra fazer o espaço onde ficará a água.
Tu bota a bomba neste espaço.
Après, a água no espaço onde fica a bomba, cuidando pra erva, que ainda não esta molhada, não cair.
O primeiro mate tu joga fora. Tu toma e cospe (Aham, tosco assim. É coisa campeira).
Como a erva ainda esta seca, ele fica sem gosto.


Tu faz, tu coloca, tu tampa... falado a gente não se dá conta, mas escrito é muito feio!!
Bem, vou seguir aqui na busca da receita perfeita, ou seja: com ingredientes que eu ache por aqui. Senão... Daia, me manda a receita da tua vó??? :)

29.5.10

Falta colocar aqui neste pobre blog abandonado:

Contar das minhas férias no Brasil: bebês no pedaço, o título honorário e honorífico de "titia do xixi", aventuras de Cruz Alta e Santa Maria, um criminoso na família... Nico no veterinãrio... mas do Nico eu já falei abaixo.
Falta também colocar fotos: Argentina, Brasil, Cidade do Panamá, Grenoble.
Falar do reencontro com a Josi Pippi, mais de 6 anos depois do final do curso na FACOS!

Principalmente, falta vergonha na cara, pra reservar um tempinho pra colocar todas as histórias no blog...

PS: LOST ACABOU! AAAAHHHHHH que triste!! :(

20.5.10

Contagem regressiva para junho:

- 2 dias para enviar um artigo pra Oslo. Assim que eu achar onde eu enfiei o abstract que mandei pra organização do evento (que barbaridade!).

- 4 dias para o show da Alicia Keys em Barcelona. (Yey!)

- 6 dias para ir no escolinha do Paulo e a Leire (um casal de gêmeos de 3 aninhos que eu amo de paixão, filhos da minha colega de trabalho, a Gurutze), vê-los se apresentarem com um musical para encerrar o ano. Que fofos!

- 8 dias para um evento na UA com uns 40 sócios da Ucrânia, Azerbaijão, Rússia, Bielorrússia, e Armênia.

- 10 dias para ir a Oslo para uma conferencia sobre educação superior. Vai ser muito bom rever as pessoas que ficaram ou retornaram pra lá. Além de curtir um pouco do silêncio nórdico, que me faz falta.

- 15 dias para a visita da Leasa e da Mary aqui em casa. Uma dos EUA, a outra da Bélgica.

- 15 dias para a Copa do Mundo.

- 15 dias para o Brasil estrear contra a Coreia do Norte. (*SOS Português - "Coreia" perdeu o acento tb, né?)

- 24 dias para um super deadline no trabalho.

- 28 dias para os workshops de um de nossos projectos, na República Dominicana - que eu felizmente vou poder ficar no recanto do meu lar e não enfrentar mais uma viagem de 15h.

- 33 dias para viajar a El Salvador - sim, desse eu não me escapei. É muito legal poder viajar pra América Central e tudo, mas... 18h de vôo... well, haja remedinho pra judar com a ansiedade. Queria poder me teletransportar - que pena que o Sheldon, do Big Bang Theory não teve sucesso ainda com isso!

- alguns minutos para uma sesta e depois um pouco de praia... ah chegou o verão ;)

13.5.10

O rei Nikolas!

Ele usa gravata, sesteia na cama do meu irmão, é ceguinho do olho direito por causa de catarata, pede ajuda pra subir no sofã quando a preguiça bate ou a pança não deixa, sabe bater na porta para entrar ou sair (e o faz várias vezes!), morre de medo de gato, é viciado em chocolate e bolacha... mas cuidar a casa que é bom... bem isso ele não faz muito bem! Não adianta: Niko é o nosso rei e todos se rendem às suas vontades!! (Vai dizer que a barba branca do Niko e essa gravata de coraçãozinho rosa não é super sexy? É como um George Clooney canino!).






17.2.10

Brasil. Pra mim. :)

27 de março.
Pra mim. Brasil.

woohooooooooooooooooo!!

14.2.10

17 anos mais uma vez!

Amanhã, 15/2, faço aniversário outra vez. Como já é de conhecimento geral, terão 17 velinhas no meu bolo nega maluca (que vou começar a fazer daqui a pouco pra levar pro trabalho amanhã).

Sim, parei nos 17 anos e não saio deles até que me pareça conveniente. Tampouco é necessário chamar o Freud pra entender o porquê. Não estou em crise de meia idade. Tudo bem, eu confesso: às vezes bate uma 'crisesinha' de leve quando vejo que estou começando a ter linhas mais fundas no pescoço (princípios de chicken neck) e alguns sinais no rosto que não costumavam viver ali. Mas não é nada disso. Permanecer nos 17 é uma escolha:

1. Aos 17 foi quando saí de casa. Sigo fora de casa desde então... bem... talvez hoje um pouquinho mais distante que os 126km que separam Cruz Alta de Santa Maria no interior do RS, mas ainda sim, continua sendo longe.

2. Não sei dirigir. Hoje em dia a maioria da gurizada faz a carteira na semana que completa 18 anos. Isso não era possível na época, já que entre as duas graduações na UFSM, a bolsa de pesquisa, mais dois empregos mal sobrava tempo de comer. Isso deve mudar logo, porque me inscrevi pra aulas de direção em outubro do ano passado. Assistir apenas 3 aulas teóricas em 5 meses não oferece muita perspectiva de uma carteira de motorista num futuro próximo, mas... talvez um dia possa completar as aulas, tirar a carteira, e fazer 18 anos.

3. Quero seguir com 17 pela ilusão de que não teria muitas responsabilidades e tanta pressão nessa idade. Detesto psicologia barata, mas talvez um dia funcione. Bah, isso seria motivo pra chamar o Freud.

4. Acima de tudo, sempre achei que a idade representa muito pouco a personalidade ou experiência de cada pessoa. Não creio que conte muito como maturidade. Por isso, adoro essa frase do livro 'Fareinheit 451', de R. Bradbury, dita no livro pela personagem Clarisse:

"I'm seventeen and I'm crazy. My uncle says the two always go together. When people ask your age, he said, always say seventeen and insane".
(Tradução: "Tenho 17 anos e sou louca. Meu tio falou que os dois vão sempre juntos. Quando as pessoas perguntarem pela tua idade, ele disse, sempre responda 'dezessete e maluca'.)

Adoro o sarcasmo da frase: é como se estivesse dizendo "Não interessa". =)

Por isso, sigo com 17, mesmo que seja pelo 10° ano consecutivo. Presentes são bem vindos.

Ah! Um feliz carnaval, àqueles que gostam!

1.2.10

Chamando o Mario Quintana!!

Mario Quintana, por favor: dê o ar da sua graça novamente nas nossas vidas:

CONFISSÃO
Que esta minha paz e este meu amado silêncio
Não iludam a ninguém
Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta
Nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios
Acho-me relativamente feliz
Porque nada de exterior me acontece…
Mas,
Em mim, na minha alma,
Pressinto que vou ter um terremoto!”


Sim, é isso mesmo: totalmente a ponto de ebulição!

1.1.10

E que venha 2010!!

Já tava no hora de 2009 acabar. Anos pares geralmente sao um pouquinho melhores :)

A lista de resolucoes?
- usar meus óculos regularmente (essa será em conjunto com minha mae, que tb tem que fazer o mesmo, né dona Tânia?). Falando nisso... alguém viu meus óculos?
- aprender a dirigir (pra poder sair de Alicante com muito mais frequencia)
- estudar outra língua estrangeira (estou entre o russo e o alemao)
- ser melhor em entrar em contato com meus amigos (sem comentários...)
- TER MAIS VISITAS! Espero que tenha váááárias visitas em 2010!

Na lista das coisas "normais" que estao na lista de todo mundo: comer melhor, exercitar mais, comprar uma planta, usar menos preto, fazer as unhas com mais frequencia, coisas assim...

Acho que tá bom pra comecar, né?

FELIZ ANO NOVO!!!